segunda-feira, julho 22, 2024
spot_img
spot_img
InícioGeralMorre Verdelírio Barbosa

Morre Verdelírio Barbosa

spot_img

O jornalista político Angelo Rigon informa que faleceu por volta das 22h50 de quarta-feira, no Hospital Paraná, em Maringá, o jornalista Verdelírio Barbosa, 80, diretor-proprietário do Jornal do Povo. Ele estava internado havia mais de um mês, por causa de uma pneumonia; chegou a ir para home care, mas retornou ao hospital e para a UTI. O velório acontecerá no salão nobre da Capela do Prever da Zona 2, a partir das 7h, e o sepultamento no Cemitério Municipal.

Verdelírio Aparecido Barbosa foi um dos nomes mais importantes do jornalismo maringaense, com forte atuação na área política. Durante muitos anos atuou também como advogado, tendo sido procurador jurídico do município na gestão Silvio Barros (1973-1976). Atuou ainda no rádio maringaense, comandando programa diário na Rádio Cultura, das 11h às 12h. Foi colunista de O Diário do Norte do Paraná, O Jornal (do qual chegou a ser sócio) e Jornal do Povo, além de semanários. Fez parte da bancada que apresentava o telejornal da TV Maringá (Band) nos anos 90 e comandou outros programas jornalísticos na mesma emissora. Verde foi governador do LD – 6 do Lions Clube (99-00) e era Cidadão Honorário do Paraná.

O secretário de Comunicação de Maringá, Marcos Cordiole, homenageou o jornalista com um post no Tweeter.

Morreu Verdelíírio Barbosa: um símbolo do jornalismo, um patrimônio de Maringá. Foi-se a figura simpática e cordial que eu regularmente encontrava na Rua XV de Novembro, quando das minhas breves caminhadas no horário do almoço.

Fica a lembrança dos precisos apontamentos críticos, da refinada ironia e da generosidade compartilhada em observações criteriosas da vida política da cidade e do país.

Ele, sempre convicto, da luta para manter a sua grande paixão nos tempos do furacão da vida digital: o jornal impresso.

Outra pessoa que admirei, porém, que conheci tarde e desfrutei pouco de sua sabedoria. Ainda assim, agradeço pelos momentos preciosos que dispôs para as novas conversas.

Início

Verdelírio Barbosa começou a escrever em 1959 num jornal chamado O Diário de Maringá, de propriedade de João Antonio Corrêa Júnior, o Zitão, jornalista e escritor já falecido. O jornal, homônimo daquele que viria a ser lançado em 1974, era diário só no nome. Em dificuldades financeiras, circulava uma vez por semana, às vezes nem isso.

A entrada no jornalismo aconteceu depois que Verdelírio enviou ao jornal de Zitão um artigo condenando a violência no futebol. O artigo não continha informações a respeito do futebol mundial ou pelo menos do brasileiro. Nada de análise sociológica. A questão era outra, bem doméstica.

Revoltado com a atuação criminosa de um zagueiro contra o Corintinhas, equipe amadora maringaense do qual ele era diretor, Verdelírio colocou seu desabafo no papel.

“O jogo era o Corintinhas contra o Melhoramentos. Tinha um zagueiro do Melhoramentos, meu amigo, o Miltão, que dava da medalhinha pra cima. Eu achei aquilo uma barbaridade.”

Zitão gostou do artigo e o chamou para escrever no O Diário. Dada a inconstância do matutino, matutino entre aspas, frise-se, Verdelírio aportou no começo dos anos 60, no O Jornal de Maringá, que tinha Rubens Ávila como redator-chefe, já falecido, que viria a ser o primeiro chefe de redação do atual O Diário do Norte do Paraná, em 1974.

Em 1966, Verdelírio foi trabalhar na Folha da Norte como colunista esportivo, tendo como patrão Joaquim Dutra e redator-chefe A. A. de Assis. Ficou cerca de um ano. Retornou ao O Jornal de Maringá, onde praticamente construiu sua carreira jornalística escrevendo sobre política.

O envolvimento de muitos anos com o concorrente da Folha do Norte, o torna um dos mais habilitados a analisar aquele período em que O Jornal era considerado o primo pobre diante da modernidade e influência do jornal do bispo. Ao contrário da maioria, que imagina ter sido Ivens Lagoano Pacheco o primeiro dono do O Jornal, Verdelírio afirma que foi Samuel Silveira, um dos sócios da Rádio Cultura.

Segundo o jornalista, Ivens vendeu o jornal para um grupo político formado por Rodolfo Purpur, que foi reitor da UEM, João Paulino Vieira Filho, Evelino Pouper, entre outros. Os políticos continuaram mandando no jornal. Vieram em seguida Ardinal Ribas, já falecido, que chegou a ser deputado, e Helenton Borba Cortes, médico e vereador maringaense dos mais conceituados. Cortes, também falecido, era uma figura bastante respeitada em Maringá. Até João Paulino, que era amigo de Cortes e virou adversário no início da década de 60, só tem palavras elogiosas para ele.

Tendo apenas o hiato de 1966, quando foi para a Folha, Verdelírio viveu todos os momentos do O Jornal, fazendo de tudo um pouco, cumprindo inclusive a função de revisor junto com José Maria Bernardelli, ex-vereador na cidade e um dos mais prestigiados árbitros de futsal.

Ardinal Ribas deixou o comando para o filho Marcos Iran Ribas. Em 1972, a situação no O Jornal tornou-se crítica. O nome era forte, mas a estrutura frágil. Proprietários dos jornais Diário do Noroeste, de Paranavaí, e Umuarama Ilustrado, de Umuarama, se interessaram. Tinham intenção de constituir uma sociedade e arrendar o O Jornal.

Foi quando três funcionários do jornal resolveram propor o arrendamento: Verdelírio, Osvaldo Lima, que saíra da Folha, onde escrevia sobre música e ingressara no O Jornal para fazer esporte, e Luiz Nora Ribeiro, atualmente dono de gráfica em Maringá. Verdelírio lembra que o trio tinha muita coragem, mas dinheiro que era bom…

“Falamos com o Marcos Ribas: Já que você vai arrendar para eles por que você não arrenda para nós? Mas precisa tanto… E não tínhamos nada, era duro como estamos duros até hoje. Mas aí o Sílvio Barros era o prefeito…”

Sílvio havia sido eleito em 1972 e Verdelírio era bastante ligado a ele, tão ligado que havia se tornado seu assessor de imprensa. Marcos Ribas queria 5 mil cruzeiros pelo arrendamento. Pela amizade e pelo lucro promocional que o jornal poderia lhe dar, Sílvio deu o dinheiro da entrada, e Verdelírio, Osvaldo Lima e Luiz Nora assumiram. A primeira providência foi mudar a sede do jornal, que saiu da Santos Dumont e foi para o subidão do Maringá Velho, entre as praças José Bonifácio e Peladão.

O primeiro a deixar a sociedade foi Luiz Nora. Em seguida, Osvaldo Lima vendeu sua parte para Verdelírio. O jornal voltou a mudar de mãos quando Wilson Caetano fechou negócio com Verdelírio. Caetano, já falecido, era dono da Folha de Maringá em sociedade com Jorge Fregadolli.

Ele ficou pouco tempo com os dois jornais, desativou a Folha de Maringá e passou a comandar o O Jornal. E já na década de 80, Wilson Caetano chamou Verdelírio, o colunista esportivo Valdir Pinheiro, já falecido, e o publicitário Marco Antônio Beschizza para compor uma sociedade.

Beschizza não topou. Os outros dois, sim. O empresário da construção civil Ramirez Pozza entrou na sociedade em 1987 no lugar de Wilson Caetano. A nova sede já era na Bento Munhoz da Rocha. Valdir já havia saído. Com a entrada de Pozza, Verdelírio também saiu. Nas eleições municipais de 1988, o jornal apostou tudo no candidato a prefeito Ademar Schiavone, uma campanha declarada. Ricardo Barros venceu.

Em 1990, Ramirez fechou as portas, que só vieram a ser reabertas quase um ano depois por Verdelírio. No dia 31 de março de 1991, surge O Jornal do Povo  comandado pelo diretor do Corintinhas, de 74 anos, que escolheu o caminho das letras para desancar o violento zagueiro Miltão e dele até hoje não saiu.

(Capítulo do livro “O Jornal do Bispo – A História da Folha do Norte do Paraná”, escrito por Antonio Roberto de Paula em 2001 – Foto: Museu Esportivo de Maringá)

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img
spot_img
spot_img

Notícias Recentes

- Advertisment -