Conselho de Ética acolhe denúncia contra Fabiane Rosa

Reunião do Conselho de Ética aceita denúncia contra Fabiane Rosa (Foto: Carlos Costa/CMC)

A defensora da causa animal e acusada de “rachadinha” por funcionários do gabinete parlamentar, Fabiane Rosa, por decisão unânime do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Curitiba, teve acolhida a denúncia que pode levá-la a perder o mandato nos próximos dois meses.

O relator Marcos Vieira (PDT) e a vice, Professora Josete (PT), consideraram existir “materialidade suficiente [para avançar na investigação]”.

Ao se manifestarem pela admissibilidade da denúncia, Vieira e Josete elencaram indícios obtidos junto ao Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, que estão resguardados por segredo de Justiça. Eles entendem que há elementos para se suspeitar da exigência de vantagem indevida, sob coação de exoneração, na qual parte da remuneração de comissionados do mandato supostamente era direcionada à parlamentar. 

Com essa decisão, o Conselho de Ética deliberou por notificar a vereadora do prosseguimento da apuração, solicitando para que, no exercício do direito dela à ampla defesa, delimite as testemunhas que deseja ver ouvidas e eventuais perícias que queira ver realizadas. É franqueada à defesa da vereadora o acompanhamento das oitivas. Nesta etapa, o objetivo é aprofundar a apuração, podendo, além das oitivas, ocorrerem diligências e a requisição de documentos.

Próximos passos

Concluída a apuração e a produção probatória, o conjunto documental obtido é encaminhado à Corregedoria da CMC, que tem dez dias úteis para se manifestar. Os documentos, acrescidos da manifestação do corregedor, são então encaminhados para a acusada, que tem também 10 dias úteis para apresentar ao Conselho de Ética suas alegações finais. Concluído esse ciclo, o relator do caso tem 10 dias úteis para apresentar ao colegiado sua opinião pela procedência da denúncia ou pelo arquivamento.

Diante do parecer do relator, o Conselho de Ética decide, por maioria absoluta (metade mais um do total de membros, logo cinco votos), se confirma ou não o teor do documento. Se prevalecer a procedência da denúncia, a Câmara Municipal de Curitiba tem o prazo de três sessões plenárias para convocar votação em plenário sobre o caso, cuja aplicação de punição dependerá da aquiescência também da maioria absoluta dos 38 vereadores (pelo menos 20 votos). Nessa sessão de julgamento, são concedidos 20 minutos para a acusada, ou sua defesa, em plenário.

Contexto da denúncia

No dia 27 de julho, a vereadora foi presa preventivamente pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, suspeita de exigir dos funcionários comissionados do seu gabinete parlamentar a devolução de parte da remuneração deles. Na mesma semana, dia 30, a Mesa Diretora da CMC pediu que a Corregedoria instaurasse sindicância para “apurar os fatos, supostamente ilícitos, que envolvam a vereadora citada” (leia mais).

A apuração da Corregedoria começou no dia 4 de agosto e durou dez dias, período em que o órgão solicitou e teve acesso a material produzido pelo Gaeco. Com base nisso, Ignácio apresentou representação em desfavor da parlamentar à Mesa, que remeteu o caso ao Conselho de Ética (leia mais). Em reunião no dia 20 de agosto, por votação entre os membros, Vieira e Josete foram escolhidos relator e vice do caso.

Nesse ínterim, no dia 11 de agosto, por decisão do Tribunal de Justiça do Paraná, Fabiane Rosa teve a detenção no Complexo Médico Penal em Piraquara convertida em prisão domiciliar. Em vídeo nas redes sociais, a vereadora disse ter passado “os piores 16 dias de sua vida”, que está “colaborando com as investigações” e que é fiel à causa da defesa animal. (Com assessoria da CMC)

13 COMENTÁRIOS

  1. A vereadora presidiária está colhendo o que plantou. Que me perdoem os idiotas que ficam pedindo por ela nas redes sociais, os tapados que acreditam nas mentiras dela, os imbecis que se compadecem do vitimalismo que ela usa no Facebook e os burros que acreditam na súbita e impressionante conversão religiosa dela. Estão sendo manipulados por ela e pelo marido malandro. A vereadora presidiária é culpada de todas as acusações que responde. Ela exigiu sim que seus assessores lhe dessem parte dos seus salários. Não apenas os do gabinete, mas também os que ela indicou para trabalhar por ela em vários setores da prefeitura. E por que ela queria esse dinheiro? Para uso próprio. Afinal, ela diz que era para comprar ração para os cachorros dela. Se são dela são despesas pessoais dela. Ora, então os assessores são obrigados a arcar com as despesas pessoais dos vereadores? Não! O que ela fez é crime. Não existe essa idiotice, essa ladainha de golpe político. A vereadora presidiária foi gananciosa e safada. Cometeu crimes e deve responder por eles.

  2. Chega de legislar para cachorro. Agora exigir uma limpa nessa rede de proteção da cidade, que pelo exposto nos noticiários demonstrou estar bichada.

  3. Engraçado que todos os comentários querem pegar no pé desse Senhor Greca que pra mim não fede e não cheira, o que devemos pensar é no povo que é enganado todos os dias por estes que se dizem governar para o povo. A outra vereadora que também se dizia defensora dos animais esta de boa, essa câmara é muito enrolada e o tal do MP não fica atrás, só bobo que acha que essa tal de Katia dos animais não continua com as tais “rachadinhas”, animais somos nós que votamos nessa corja, o Gaeco deveria pegar os tais chefes de gabinete de cada um desses sujeitos e aleatoriamente um funcionário pra “espremer”, certamente irão contar até o que não precisa.

  4. Acredito que a Policia poderia montar uma operação, para investigar todas as ongs, todas a pessoas que solicitam e pedem doações para animais, e depois divulgar uma lista, pois só assim podemos separar as pessoas certas das erradas, pois com todos escândalos acontecidos em todo Brasil, as pessoas de bem que acredito que sejam na maioria acabam sofrendo sem receber ajuda.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here