Bilhetagem eletrônica gera discussões na Justiça

(Foto: SMCS)

O Jornal Impacto Paraná informa que um novo escritório jurídico assumiu o processo que a empresa Enterhelp moveu contra as concessionárias do transporte coletivo de Curitiba, por ter vencido a concorrência da manutenção dos equipamentos de bilhetagem eletrônica que ocorreu durante a CPI da Urbs no ano de 2013, e que foi impedida de assumir, está debruçada no processo para fazer apontamento de provas solicitado pelo juiz.

Segundo Wander Santos, proprietário da empresa Enterhelp, os advogados foram trocados por que perderam o prazo do Ministério Público, após a Comissão de Economia da Câmara Municipal de Curitiba ter enviado denúncia ao MP-PR para investigação.

Anteriormente, até o ano de 2012, era a empresa Enterhelp que realizava a manutenção dos equipamentos de bilhetagem eletrônica do transporte coletivo de Curitiba e Região Metropolitana, porém foi retirada do contrato em plena vigência por que as empresas de ônibus repassaram o contrato de manutenção dos equipamentos de bilhetagem eletrônica para outra empresa por um valor três vezes maior.

Esse contrato acabou caindo na CPI da Urbs e a comissão questionou por que a empresa anterior, a Enterhelp recebia R$ 160 mil reais mensais, foi retirada do contrato em plena vigência e repassado para outra empresa.

Segundo Wander Santos, proprietário da Enterhelp, devido a ameaças o mesmo não pode falar na CPI da Urbs, o verdadeiro motivo pelo qual sua empresa foi retirada do contrato.

Ainda durante a CPI da Urbs, houve uma concorrência para contratar outra empresa para realizar a manutenção dos equipamentos da bilhetagem eletrônica, sendo que a empresa Enterhelp venceu essa concorrência, e novamente por foi impedida de assumir a manutenção dos equipamentos de bilhetagem eletrônica do transporte coletivo de Curitiba.

A comissão da CPI ainda fez intimação para uma acareação dos envolvido, presidente do Setransp, proprietário da outra empresa e proprietário da empresa Enterhelp, porém somente Wander Santos comparecia na acareação, os demais faltavam.

Ocorre que a empresa Enterhelp entrou na justiça e o processo foi à revelia, mas o juiz solicitou aos advogados da empresa Enterhelp para que apontem as provas. Além disso os membros da CPI do transporte serão arrolados no processo para depor a fim de ajudar a esclarecer esse caso.

Agora o juiz chamou para uma audiência de conciliação antes dele dar a sentença.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here