Marxismo chega ao galinheiro

Em uma entrevista famosa Nélson Rodrigues pontificou, com a costumeira genialidade: “Só conheço o marxista de galinheiro, não excluindo o próprio Karl Marx, que também é marxista de galinheiro”. 

Pois não é que além de gênio, Nélson se revela profeta? O ditador da Venezuela, Nicolás Maduro, sugeriu que as escolas instalem galinheiros como uma forma de aplacar a grave crise alimentar que há no país. Fruto do imenso sucesso das políticas bolivarianas, que transformaram o país com as maiores reservas de petróleo do mundo em uma nação que passa fome.

Maduro prosseguiu, provando que se pratica na Venezuela, regida pelo “socialismo do Século XXI” a forma mais galinácea de marxismo do planeta: “Toda escola e ensino médio tem um espaço, algumas têm um espaço grande. Aquela que tem um espaço grande também pode colocar animais lá, cerca de 200 galinhas, 300 galinhas”, disse Maduro em um ato com estudantes, transmitido pela televisão.

4 COMENTÁRIOS

  1. Tenho pena do povo que, engessado pelo sistema, passa fome na Venezuela. Há alguns culpados por tudo isso. Nessa lista estão a insensibilidade do governo Chaves que, colocou a soberania do país acima das necessidades do povo, e o imperialismo americano que impôs sanções à Venezuela e aos países que eventualmente viessem a comprar petróleo venezuelano. A ambição americana com objetivo de dominar o mundo do petróleo vai pagar caro pelo que faz, não somente com a Venezuela, mas, também, com outras nações. O Chaves deveria ter dialogado para não prejudicar o povo, mas ele e o Maduro, são iguais ao Bolsonaro que tem horror à democracia e ao diálogo político. Se fechar o Congresso brasileiro como quer o presidente e a direita brasileira e, se os Democratas derrotarem o Trump nos EUA, o Brasil poderá se transformar numa Venezuela, porque países sociais democráticas da Europa, os EUA e, de repente, a própria China, poderão reduzir em muito suas importações de produtos brasileiros.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here