segunda-feira, abril 15, 2024
spot_img
spot_img
spot_img
InícioAssembleia Legislativa do ParanáNos 92 anos do voto feminino, Alep contabiliza avanços

Nos 92 anos do voto feminino, Alep contabiliza avanços

spot_img

Registro de um recorde histórico de deputadas, formação da primeira bancada feminina, criação da Procuradoria Especial, estabelecimento da Comissão de Defesa dos Direitos das Mulheres e a promessa de um ano intenso com a inédita consolidação do Código de Defesa da Mulher Paranaenses destacam-se no cenário político da Assembleia Legislativa do Paraná em 2024. Esses avanços políticos têm como marco o dia 24 de fevereiro, data em que se celebra a conquista do direito ao voto feminino.

Esse direito foi garantido apenas há 92 anos, por meio do Decreto 21.076 do então presidente Getúlio Vargas, que instituiu o Código Eleitoral. Contudo, em 1932, ainda era uma permissão restrita, reservada apenas para mulheres casadas com autorização do marido, viúvas e solteiras com renda própria. Somente em 1965, com um novo Código Eleitoral, o voto feminino foi equiparado ao masculino.

A participação política das mulheres proporcionou sua contribuição na escolha de representantes, conferindo importância ao papel da mulher na sociedade. O direito de votar foi crucial na busca pela igualdade de gênero na democracia brasileira, garantindo pluralidade, diversidade e reconhecimento dos direitos fundamentais.

Atualmente, o voto feminino desempenha um papel decisivo nas eleições. De acordo com dados do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), as mulheres representam a maioria do eleitorado brasileiro, totalizando 77,3 milhões de eleitoras, o que corresponde a 52,5% do total de mais de 147,3 milhões de eleitores aptos a votar. Apesar disso, ocupam apenas 15% das cadeiras no parlamento nacional.

Nas últimas eleições, a presença feminina na Assembleia Legislativa do Paraná duplicou, passando de 5 para 10 deputadas, alcançando 18,5% das cadeiras. Ana Júlia (PT), Cloara Pinheiro (PSD), Flávia Francischini (União), Márcia Huçulak (PSD), Marli Paulino (SD) uniram-se às reeleitas Mara Lima (REP), Luciana Rafagnin (PT), Cristina Silvestri (PSDB), Mabel Canto (PSDB) e Maria Victoria (PP).

As parlamentares valorizam o aumento na representatividade e a oportunidade de fortalecimento na luta pelas pautas femininas. No entanto, destacam a necessidade de maior participação em debates amplos do Estado, assim como a ocupação de espaços de decisão e poder.

Na Assembleia Legislativa, foi estabelecida a primeira Bancada Feminina, garantindo maior participação no cotidiano legislativo, integrando as decisões do colegiado de líderes e possuindo um tempo exclusivo para pronunciamento nas sessões plenárias, assim como ocorre com as lideranças e blocos partidários.

A Procuradoria da Mulher expandiu-se pelo estado, contando com 144 espaços institucionais nas câmaras municipais, destinados a promover a igualdade de gênero e combater a violência contra a mulher. Além disso, há a Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher e uma nova comissão foi instituída com o propósito de consolidar 62 leis no que será o Código de Defesa dos Direitos da Mulher Paranaense (Projeto de Lei 625/2023).

O direito ao voto feminino tornou-se realidade após extensas mobilizações e articulações das ativistas pelo direito da mulher à participação na vida pública, conhecidas mundialmente como sufragistas.

No Paraná, Rosy de Macedo Pinheiro Lima foi a primeira deputada a exercer mandato na Assembleia Legislativa em 1947. Desde então, ao longo de 170 anos de história, 27 deputadas ocuparam uma cadeira na Assembleia paranaense.

Notícias Relacionadas

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Notícias Recentes

- Advertisment -