domingo, maio 26, 2024
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
InícioPolítica CuritibaMP manda polícia investigar indícios de irregularidades em licitação para roçadas em...

MP manda polícia investigar indícios de irregularidades em licitação para roçadas em Curitiba

spot_img

O G1 Paraná e a RPC indorma que o Ministério Público do Paraná (MP-PR) mandou a Polícia Civil investigar indícios de irregularidades em uma licitação da Prefeitura de Curitiba para contratar os serviços de roçada, capinação, limpeza e transporte de entulhos. Os dez lotes do pregão eletrônico, de 2018, somam R$ 3,4 milhões para um ano.

A determinação da promotora Luciane Freitas, da 1ª Promotoria de Proteção ao Patrimônio Público, é da quarta-feira (22). O G1 aguarda retorno da Polícia Civil para saber se o inquérito foi aberto.

A denúncia foi feita pela vereadora Professora Josete (PT). Segundo ela, as três empresas, além de terem os donos com o mesmo sobrenome, têm o mesmo endereço, em Colombo, na Região de Curitiba, e dividem trabalhadores – o que estava vetado pelo edital da licitação.

Conforme a promotora, a investigação deve apurar se as empresas agiam em conluio. Cinco lotes foram vencidos pela Empresa Urbanística Ambiência, quatro pela Ajardini Paisagismo e um pela Nicons Comercial de Plantas. As três fecharam contratos com a prefeitura.

Segundo o MP, a empresa Ajardini Paisagismo chegou a apresentar uma procuração nomeando o dono da Nincons Comercial de Plantas para representá-la.

“Outro fato de destaque é que o mesmo contador assina os documentos contábeis das três empresas, conforme se retira dos documentos apresentados à municipalidade”, diz a promotora.

A promotora afirma no documento em que determina a investigação que a responsável pelo pregão eletrônico constatou que as atividades das empresas “eram independentes e os empregados seriam distintos”.

Luciane Freitas determinou à polícia que os donos das empresas sejam ouvidos, assim como alguns funcionários, e que as sedes de cada empresa sejam identificadas. Ela também mandou o município abrir uma sindicância em até 30 dias.

As irregularidades que supostamente foram cometidas na realização do pregão eletrônico configurariam, segundo a promotoria, na prática do crime de fraude a licitação, com pena prevista de dois a quatro anos de prisão, além de multa.

O que dizem os citados

Em nota, a Prefeitura de Curitiba informou que depois da notificação a Procuradoria Jurídica vai analisar a denúncia.

“Todos os processos licitatórios do município são abertos, transparentes, têm ampla divulgação e seguem os ritos legais de forma a garantir a prevalência do interesse público”, diz a nota.

Notícias Relacionadas

11 COMENTÁRIOS

  1. MP tá muito lento. Dois anos após a denúncia resolve agir. Queremos rapidez para evitar o dano do patrimonio público.

  2. Greca querido, essa gentalha pode fuçar o quanto quiser nesse contrato esquálido de míseros 3 milhões por ano. Enquanto não perceberem a fortuna que circula no Parque das Pedreiras e vai para o bolso do Helinho estaremos bem. Beijos mil!

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img
spot_img

Notícias Recentes

- Advertisment -