Alep aprova programa para construção de moradias

(Foto: Dálie Felberg/Alep)

A Assembleia Legislativa do Paraná aprovou nesta segunda-feira (3) a criação do Programa Estadual de Habitação – Casa Fácil Paraná. O projeto de lei 650/2020, assinado pelo Poder Executivo, passou em primeiro turno de votação durante a sessão ordinária remota. Já durante sessão extraordinária, o texto recebeu três emendas de plenário e, com isso, retorna à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Casa.

De acordo com o Poder Executivo, o Programa Casa Fácil Paraná terá como principal objetivo fomentar a produção e aquisição de novas unidades habitacionais, requalificação, ampliação ou reformas de imóveis urbanos e rurais, regularização fundiária e urbanização. Estas ações, diz o projeto, serão desenvolvidas exclusivamente para famílias com renda mensal de até dez salários mínimos nacionais, com prioridades ao público com renda de até três salários mínimos mensais. 

O Programa Casa Fácil Paraná, segundo o Governo do Estado, será de responsabilidade da Companhia de Habitação do Paraná (Cohapar) e o órgão terá a autorização de formalizar parcerias com secretarias e outras outorgas da administração direta e indireta do Estado, dos municípios paranaenses e do Governo Federal.   

“A intenção deste projeto é instituir novas modalidades de ações que tenham como objetivo atender as demandas habitacionais do Paraná, mediante regulamento próprio e com a devida publicidade”, ressalta o governador na justificativa da proposta. O Executivo explica ainda na proposição que os recursos a serem utilizados para a implementação do Casa Fácil Paraná estão previstos na Lei Orçamentária Anual (LOA) 2020, bem como no Plano Plurianual 2020-2023.  

Poder Executivo – Outras duas propostas assinadas pelo Governo do Estado foram apreciadas nas sessões remotas desta segunda-feira. O projeto de lei 654/2020, alterando dispositivos da lei 15.464/2007, que autoriza a realização de atos necessários para efetivar a estadualização, mediante incorporação à UENP, da Fundação Faculdade Luiz Meneghel, situada em Bandeirantes, passou em primeiro e em segundo turnos nas sessões desta segunda-feira. Com a dispensa de votação da redação final aprovada em plenário, o texto segue para sanção, ou veto, do governo do Estado. As mudanças previstas na proposta prorrogam até 20 de dezembro de 2022 o prazo de concessão dos docentes listados na matéria. 

Já o projeto de lei 658/2020, que permite às empresas em recuperação judicial restabelecer o parcelamento de contratos referentes ao ICMS que tenham sido cancelados entre março e junho, em razão do não pagamento das parcelas, foi retirado da pauta de votações. Na CCJ, o parecer favorável ao texto emitido pelo relator, deputado Marcio Pacheco (PDT), recebeu pedido de vista do deputado Homero Marchese (PROS). De acordo com a proposta, os parcelamentos restabelecidos “serão mantidos nas formas e condições das legislações vigentes oferecidas no momento de sua adesão original”.  

Leis Complementares – Três projetos de lei complementar assinadas pelo Poder Executivo foram apreciadas nas sessões remotas desta segunda-feira. O projeto de lei complementar 16/2020, que altera dispositivo da lei complementar nº 59, de 1º de outubro de 1991, também passou em primeira e em segunda votações. Com a dispensa de votação da redação final aprovada em plenário, o texto segue para sanção, ou veto, do Governo do Estado.  A alteração visa restabelecer os parâmetros de divisão do ICMS ecológico aos municípios com mananciais de abastecimento e unidades de conservação ambiental. Segundo o Governo, o objetivo é compatibilizar o repasse do imposto com o calendário da Secretaria de Estado da Fazenda.

O projeto de lei complementar 15/2020, que altera as legislações de concessões e permissões de serviços públicos e de funcionamento da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados (Agepar), foi retirado da pauta de votações por duas sessões ordinárias. A proposta inclui os serviços de gerenciamento integrado de pátios veiculares dentre aqueles passíveis de participação e fiscalização da Agepar. 

Já o projeto de lei complementar 17/2020 extingue 496 cargos e funções na estrutura da Secretaria de Estado da Fazenda e cria 390 Funções de Gestão Tributária e 12 cargos em comissão na estrutura da pasta, foi retirado da ordem do dia por ofício.  

MP-PR e TJ-PR – O projeto de lei complementar 11/2020, do Ministério Público (MP-PR), alterando a redação do artigo 22 da Lei Complementar 85/1999 que instituiu a Lei Orgânica e Estatuto do Ministério Público do Paraná, foi retirado da pauta de votações. Na CCJ, o deputado Tadeu Veneri (PT) pediu vistas ao parecer favorável à matéria emitido pelo relator, deputado Nelson Justus (DEM). De acordo com o MP-PR,  a mudança restringe à definição do número de membros do órgão designados para a função de assessoramento no Gabinete da Procuradoria-Geral de Justiça, que deixa de ser predeterminado no texto legal para passar a ter um limite legal “de até um terço da representação numérica de integrantes”, do Colégio de Procuradores de Justiça.

Assinado pelo Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR), o projeto e lei 508/2020, que autoriza a cessão de uso gratuito de 45 imóveis aos cessionários foi aprovado em primeiro e em segundo turnos de votação. Com a dispensa de votação da redação final aprovada em plenário, o texto segue para sanção, ou veto, do Governo do Estado. 

PEC – A proposta de emenda à Constituição (PEC) 1/2020, assinada pelo Poder Executivo, que trata da Ponte de Guaratuba, foi aprovada em primeira discussão na sessão remota ordinária desta segunda-feira. A proposta altera o artigo 36 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Estadual do Paraná, que buscou assegurar a construção da ponte, mas que acabou engessando a forma de pagamento da obra. (leia mais) 

Energia – De autoria do Poder Executivo, o projeto de lei 633/2020, que autoriza a construção de sete empreendimentos hidrelétricos e de geração de energia no estado foi retirado da pauta de votações. Na Comissão de Ecologia, Meio Ambiente e Proteção aos Animais, o deputado Goura (PDT) emitiu parecer contrário à matéria. No entanto, o deputado Alexandre Curi (PSB) apresentou voto em separado favorável ao texto, que, por sua vez, acabou recebendo pedido de vista do deputado Tadeu Veneri (PT). 

De acordo com o texto, as novas unidades são Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e Centrais de Geração Hidrelétrica (CGHs), e serão construídas nos municípios de União da Vitória, Cruz Machado, Laranjeiras do Sul, Virmond, Francisco Beltrão, Guarapuava, Pinhão, Porto Barreiro, Campo Bonito e Cascavel.   

Selo – Assinado pelo deputado Requião Filho (MDB), o projeto de lei 39/2019, que cria o selo “Empresa Consciente, Meio Ambiente Equilibrado”, foi aprovado em terceiro turno. O texto avançou na forma de substitutivo geral apresentado pelo deputado Evandro Araújo (PSC), na CCJ.   De acordo com a proposição, o selo será conferido aos estabelecimentos comerciais do ramo de alimentos instalados no Paraná que priorizarem o uso de materiais biodegradáveis ao invés de produtos descartáveis.

Para receber o selo “Empresa Consciente, Meio Ambiente Equilibrado”, bares, lanchonetes, restaurantes, comércios ambulantes, food trucks, quiosques, motéis, hotéis e similares, terão que substituir canudos e copos plásticos por outros que sejam reutilizáveis, desde que em conformidade com as normas de segurança pertinentes; atender as legislações e as políticas públicas de proteção de meio ambiente; adotar boas práticas socioambientais e sanitárias.

Ainda segundo o texto, o selo será fornecido através de empresas certificadoras e o Poder Executivo poderá estabelecer, no que couber, os procedimentos para a concessão do selo. As empresas que atenderem as diretrizes da lei, terão o direito de fazer uso publicitário do crivo “Empresa Consciente Meio Ambiente Equilibrado. 

Homenagem – De autoria dos deputados Ademar Traiano (PSDB), Luiz Claudio Romanelli (PSB) e Gilson de Souza (PSC), que formam a Comissão Executiva da Assembleia, o projeto de lei 640/2020, que concede o título de Cidadão Benemérito do Estado do Paraná ao senhor Adalberto Jorge Xisto Pereira, desembargador e atual presidente do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR), foi aprovado em primeiro turno de votação. 

Calendário e título – O projeto de lei 338/2019, do deputado Ricardo Arruda (PSL), foi aprovado em terceiro turno de votação. O texto avançou na forma de substitutivo geral apresentado pelo próprio autor e pelo líder do Governo, deputado Hussein Bakri (PSD). A proposta institui a Semana de Combate e Conscientização a Trotes Telefônicos para o SAMU — Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (192), Polícia Militar (190), Corpo de Bombeiros (193) e Disque Denúncia (181) a ser realizada anualmente na semana do dia 17 de abril.

Já o projeto de lei 37/2020, do deputado Plauto Miró (DEM), que concede título de Utilidade Pública à Associação de Equoterapia Estrela Guia, de Palmeira, passou em segunda discussão. Com a dispensa de votação da redação final aprovada, a proposta segue para sanção, ou veto, do Poder Executivo. 

Redação final – O projeto de lei 610/2020, do Poder Executivo, que promove a adequação da Legislação Estadual existente para possibilitar a alienação de imóveis do Estado que se encontrem ociosos ou em más condições, passou em redação final e agora segue para sanção, ou veto, do Governo do Estado. Por fim, o  projeto de lei 621/2020, dos deputados Ademar Traiano (PSDB) e Cobra Repórter (PSC), que altera o artigo 3º da lei 20.362/2020, que trata da obrigatoriedade de o responsável técnico de instituição de longa permanência para idosos possuir formação na área da saúde, avançou em primeiro turno.  

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here