Portos do Paraná operam à noite sem nenhuma restrição

Porto de Paranaguá (Foto: AEN)

As operações nos Portos do Paraná ficarão ainda mais ágeis. A partir de agora, os navios não terão restrição para as operações e navegação noturnas. Com o esforço conjunto das autoridades Portuária e Marítima, Praticagem e Operadores, a norma de tráfego e permanência nos portos de Paranaguá e Antonina foi atualizada. As regras foram equalizadas para os dois períodos do dia.

Essa atualização trata, especificamente, do capítulo 8 das normas, que deixa igual “calado diurno e noturno”. Ou seja, permite que os navios entrem e saiam em plena carga (segundo o limite permitido), em qualquer período do dia. O calado é a medida que vai da linha ou superfície da água até o ponto mais baixa da embarcação (quilha). É o quanto o navio é autorizado a submergir, quando carregado.

Segundo o diretor-presidente da empresa pública Portos do Paraná, Luiz Fernando Garcia, com a mudança os terminais portuários paranaenses ganham em capacidade de operação e oportunidade de novos mercados. “Vamos dar mais agilidade às rotas já operadas por aqui e ganhar novas rotas que não estavam vindo aos Portos do Paraná devido a essas restrições. Entramos no mercado operando totalmente. Os navios que chegarem vão entrar, carregar e ir embora, sem restrição”, diz Garcia.

OPERAÇÕES – O diretor de Operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior, afirma que os armadores podem vir com a certeza de carregar toda a carga, independentemente de ser dia ou noite. “Afinal, o Porto é 24 horas; não tem restrição no trabalho em terra. O mar tem que acompanhar”.

Ele explica que essa “diferenciação” entre o calado noturno e o diurno sempre existiu nos portos paranaenses. No entanto, com a evolução da tecnologia de navegação e os investimentos em sinalização náutica essa diferença não fazia mais sentido.

“À noite os navios ficavam impedidos e tinham que aguardar até o dia seguinte para carregar. Agora, o navio que opera durante o dia pode operar da mesma maneira à noite, tanto na entrada quanto na saída dos portos”, afirma.

AUTORIDADE MARÍTIMA – O capitão dos Portos do Paraná, capitão de mar e Guerra Rogerio Antunes Machado, ressalta que a equalização do calado noturno e diurno em Paranaguá é uma conquista de toda a comunidade portuária. “Marca a conclusão de um processo gradual com o auxílio da área operacional dos Portos do Paraná, a Praticagem, e dos envolvidos indiretamente na navegação marítima dos navios de grande porte”, disse.

Segundo ele, a Capitania sempre primou pela segurança no processo de equalização e a navegação está condicionada à eficiência dos sinais náuticos das boias de balizamento na área de manobras, à visibilidade mínima e à manutenção das restrições operacionais referentes aos canais internos e berços a serem operados.

COMUNIDADE PORTUÁRIA – Felipe Mattos, diretor-administrativo da Paranaguá Pilots, lembra que na praticagem que atuava nos Portos do Paraná existia uma diferença de 1,60 metro entre o calado noturno e diurno nos Portos do Paraná. “Conforme os recursos dos navios foram melhorando, conforme as dragagens foram ocorrendo e as condições de instrumentos utilizados pela Praticagem, os calados vieram se equalizando de trinta em trinta centímetros, de maneira experimental até a equalização total, sem qualquer perda na segurança”, explica.

Isso, segundo Mattos, além de segurança, garante ainda mais eficiência, em termos de rotatividade e ocupação do porto. “Acabava sendo um gargalo ter que esperar a luz do dia para que tais navios com calado mais elevado pudessem navegar. Agora, não. Uma vez prontos e com maré suficiente, eles podem zarpar ou entrar na primeira hora. Um ganho muito grande em termos de eficiência portuária”, diz.

CONTÊINERES – O segmento mais beneficiado com a equalização do calado é o dos contêineres, cujas embarcações são maiores e, com a medida, podem ser melhor aproveitadas e carregadas, dia e noite.

Segundo Juarez Morais e Silva, diretor institucional do Terminal de Contêineres de Paranaguá (TCP), a equalização era uma reivindicação antiga e muito relevante para a cadeia produtiva que demanda o segundo Sistema Portuário da América Latina.

“Isso tem impacto muito positivo para os negócios, fazendo que sejamos um dos primeiros portos brasileiros aptos a receber os maiores navios que atuam no comércio exterior na América Latina. Consequentemente, isto aumentará a capacidade de movimentação, reduzirá custos operacionais e dará ainda maior competitividade ao comércio exterior que tem nos Portos do Paraná o seu canal de conexão global”, afirma.

Ainda de acordo com o diretor do TCP, é resultado de um trabalho suportado por estudos técnicos de muito embasamento e alinhamento entre todos os atores envolvidos. “Como resultado, o Porto de Paranaguá e Antonina entrega ainda mais produtividade e competitividade com segurança operacional para o cliente e o armador”, afirma Juarez.

COMO FICA – Com a equalização do calado, ficam assim estabelecidas no Capítulo 8, das Normas de Tráfego Marítimo e Permanência nos portos de Paranaguá e Antonina:

· Navios de 245 metros de comprimento (LOA) por 36 metros de largura (boca) podem carregar até submergir 12,50 metros (calado máximo);

·         Navios de 298 metros de comprimento (LOA) por 45,2 metros de largura (boca) podem carregar até submergir 12,30 metros (calado máximo);

·         Navios de 368 metros de comprimento (LOA) por 51 metros de largura (boca) podem carregar até submergir 11,80 metros (calado máximo).

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here