Paraná tem 137 grandes obras públicas paralisadas, em 72 municípios

Um total de 137 obras públicas com custo individual superior a R$ 1,5 milhão estão paralisadas em 72 municípios paranaenses. O orçamento global dessas edificações, de responsabilidade do governo estadual e de 61 prefeituras, chega a R$ 691,2 milhões, sendo que R$ 303,5 milhões – 43,9% do total – já deixaram os cofres públicos para custear os trabalhos.

Esses foram os números obtidos pelo Tribunal de Contas do Paraná (TC-PR) ao realizar, no primeiro trimestre deste ano, uma apuração completa sobre o problema. Os dados integrarão um levantamento nacional sobre grandes obras suspensas, que está sendo realizado por iniciativa conjunta do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Tribunal de Contas da União (TCU) e da Associação dos Membros dos Tribunais de Contas do Brasil (Atricon).

De acordo com o levantamento realizado pelo Tribunal, existem hoje 94 grandes obras de prefeituras paralisadas em 61 municípios paranaenses. Dentre elas, 51 já contam com previsão de retomada, ou seja, 54,3% do total. As demais – 45,7% – ainda não têm data de reinício. Do custo global dos projetos, de R$ 410,1 milhões, R$ 202,4 milhões já foram pagos pelas administrações locais – o que representa 49,4% do total.

Dentre os motivos para a interrupção das obras, os mais comuns são problemas relacionados à empresa contratada (31,9%); atrasos, suspensões ou bloqueios dos repasses de convênios (24,5%); e descumprimento de especificações técnicas e prazos (21,3%). As 94 obras municipais paralisadas se distribuem, majoritariamente, nas áreas da mobilidade urbana (40,4%), educação (24,5%), saúde, saneamento e implementação de equipamentos urbanos (8,5% cada).

Todos esses dados foram retirados do Sistema de Informações Municipais – Acompanhamento Mensal (SIM-AM) do TC-PR. Como essas informações são declaradas pelas próprias prefeituras, o Tribunal confirmou sua atualidade por meio de ofícios e demandas via Canal de Comunicação (CACO) – ferramenta eletrônica que possibilita o diálogo institucional entre o órgão de controle e seus jurisdicionados.

Com os novos dados em mãos, o TC-PR já incluiu, dentre as atividades previstas no Plano Anual de Fiscalização (PAF) de 2019, a realização de auditorias em algumas dessas obras. A intenção é fazer com que o andamento delas seja retomado o quanto antes – se possível, ainda neste ano.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here